LAPEC

Brasil pode retomar certificação de país livre de sarampo

Por Agência Brasil em 05/06/2024 às 22:00:42

Foto: Agência Brasil

O Brasil completou, nesta quarta-feira (5), dois anos sem casos autóctones, ou seja, com transmissão em território nacional, do sarampo. Com isso, o paĂ­s poderĂĄ retomar a certificação de 'livre de sarampo'. A informação foi divulgada pelo Ministério da SaĂșde.

A certificação de paĂ­s livre do sarampo foi conquistada pelo Brasil em 2016. O intenso fluxo migratório de paĂ­ses vizinhos, a partir de 2018, especialmente da Venezuela, associado às baixas coberturas vacinais, reintroduziu o vĂ­rus em território nacional.

Segundo Ministério da SaĂșde, desde 2019, no entanto, o nĂșmero de casos de sarampo estĂĄ em queda. Caiu de 20.901 registros, naquele ano, para 41 casos, em 2022. O Ășltimo caso foi confirmado em 5 junho de 2022, no AmapĂĄ.


"Para que o Brasil possa continuar sem casos, é fundamental alcançar coberturas vacinais de, no mĂ­nimo, 95% de forma homogĂȘnea, visando a proteção da nossa população diante da possibilidade de ocorrĂȘncia de casos importados do vĂ­rus e reduzindo assim o risco de introdução da doença. Além do que, garante a segurança até mesmo das pessoas que não podem se vacinar", afirma, em nota, o diretor do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Eder Gatti.

Diretor do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Eder Gatti. Foto: Marcelo Camargo/Arquivo AgĂȘncia Brasil

No inĂ­cio de maio, o paĂ­s recebeu a visita da Comissão Regional de Monitoramento e Reverificação da Eliminação do Sarampo, Rubéola e SĂ­ndrome da Rubéola CongĂȘnita na Região das Américas e do Secretariado da Organização Pan-Americana da SaĂșde (Opas) com o objetivo de dar continuidade ao processo de recertificação do Brasil como livre da circulação de sarampo e com sustentabilidade da eliminação da rubéola e da sĂ­ndrome da rubéola congĂȘnita (SRC).

Ainda neste ano, a Organização Mundial da SaĂșde (OMS) classificou o aumento de casos da doença na Europa como "alarmante". Foram mais de 58 mil infecções pelo vĂ­rus em 41 paĂ­ses ao longo de 2023, um aumento em relação aos Ășltimos trĂȘs anos.

TrĂ­plice viral

DisponĂ­vel em unidades bĂĄsicas de saĂșde, a trĂ­plice viral é uma das vacinas ofertadas no CalendĂĄrio Nacional de Vacinação, cujo esquema vacinal corresponde a duas doses para pessoas de 12 meses até 29 anos de idade, e uma dose para adultos de 30 a 59 anos. Esse imunizante protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola – trĂȘs doenças altamente infecciosas que podem causar sequelas graves e foram responsĂĄveis por epidemias no passado.

A cobertura da primeira dose dessa vacina aumentou de 80,7% em 2022 para 87% em 2023, diz o Ministério da SaĂșde. Os dados de 2023 ainda são preliminares e podem subir, antecipou a pasta, jĂĄ que alguns estados tĂȘm bases próprias e as atualizações podem demorar a chegar à rede nacional.


Fonte: AgĂȘncia Brasil

Comunicar erro
Lapec

ComentĂĄrios